domingo, 7 de setembro de 2008

MALETAS E MULATAS

Antigamente, as discussões políticas eram mais suaves. D. Pedro II machucou-se numa viagem à Europa e, na volta, desembarcou de muletas. Os jornais noticiaram a recuperação do Imperador, mas, um deles, graças a esses antigos pastéis de imprensa, trocou um detalhe importante. A prova de sua recuperação, dizia a notícia, era que sua Majestade já estava andando, sustentado por duas "muletas". Pois, não é que em vez de "muletas", a notícia informava que o Imperador saíra apoiado em "duas mulatas"! Foi o bastante para que se ameaçasse a liberdade de imprensa e a discussão se resumisse a saber se o erro fora intencional ou não.
Agora, dizem que a Abin comprou umas maletas tão diabólicas que ouvem até sussurros de namorados. Se a bisbilhotagem ficar debaixo de uma árvore ou escondida num carro, as confissões ou excessos de carinho podem ser captados e gravados. Para tranqüilizar, a Abin comunicou que o Exército também tem as suas maletas e que elas, em vez de permitirem a escuta, só rastreiam. Não falam, só ouvem. Mais tranqüilos ainda ficamos quando a firma fabricante das maletas entra na discussão e afirma que sua maleta é burra e não grava; o Omni-Spectral Correlator (é esse o nome do bicho) faz apenas uma "escuta ambiental em um campo geográfico pequeno, desde que com transmissor de alta definição". Assim, o caso das maletas é bem mais sério do que o das duas mulatas que amparavam o Imperador – o que não seria nada mal para o velho soberano.
Pior seria se, em vez de maletas, esses órgãos do Estado tivessem adquirido duas muletas para ampará-los nesta situação.
A verdade é que as tais maletas não são capazes de gravar músicas, pois, então, agora estariam, nostalgicamente, tocando as antigas e populares canções do nosso Waldick Soriano, que nos deixa saudades e a sua famosa Eu não sou cachorro não, muito popular no seu tempo. Eu, graças a Deus, venho do tempo das modinhas de Catulo da Paixão Cearense (Luar do Sertão), Vicente Celestino (O ébrio), Noel Rosa, Herivelto Martins (Chão de estrelas), e fui passando por Maysa (Tristeza não tem fim), Elizete Cardoso, Ângela Maria, Dolores Duran e dos sambas-canções, até cair na voz delicada e envolvente de Nara Leão e, para não ser feminista, Roberto Carlos, os Novos Baianos, Luiz Gonzaga e João do Vale. E, hoje, estou às voltas com Gilberto Gil, Caetano, Chico Buarque, Jorge Mautner, Betânia e a formidável e grande expressão da música brasileira: Alcione.
A verdade mesmo é que entre saudades e músicos, o grande prazer, hoje, não é ouvir música, mas ficar calado, com medo do telefone. As tecnologias modernas destruíram a privacidade e estão criando um mundo de ouvidos moucos, bocas fechadas e olhos abertos

Um comentário:

Ricardo Cesar disse...

Estilo croniquinha pra uma autêntica segunda-feira!! Daquelas que a gente nem quer pensar se entendeu pra não complicar o resto da semana... rsrs...
ABRAção!!!