segunda-feira, 14 de março de 2011

dia da poesia

[SONETO DO PRAZER MAIOR]Bocage

Amar dentro do peito uma donzela;
Jurar-lhe pelos céus a fé mais pura;
Falar-lhe, conseguindo alta ventura,
Depois da meia-noite na janela:

Fazê-la vir abaixo, e com cautela
Sentir abrir a porta, que murmura;
Entrar pé ante pé, e com ternura
Apertá-la nos braços casta e bela:

Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos,
E a boca, com prazer o mais jucundo,
Apalpar-lhe de leve os dois pimpolhos:

Vê-la rendida enfim a Amor fecundo;
Ditoso levantar-lhe os brancos folhos;
É este o maior gosto que há no mundo.

Um comentário:

guilhermemurcego disse...

A triste realidade do ser

Tarde boa de verão
Eis que entra Arabrab
Com seu jeito e beleza apaixonantes
Começava ali a roubar seu coração

À casa voltou várias vezes
E Felipe por ela esperava
Com o tempo tornou-se amigo
Não sabia dos próximos meses

Por ela fazia de tudo
A cada dia era mais seu escravo
Por vezes pensou lhe contar
Mas Arabrab o deixava mudo

O tempo só fazia crescer
Por mil vezes Felipe a chamou
Nunca viu-se mais apaixonado
Mas Arabrab não fez por merecer

Veio o dia de ficar na memória
Na tarde daquele filme
O homem não era de ferro
Chegava o fim da história


por @_GuiiReiis_